c Unir a juventude contra o fascismo – UJC
Home Notas Politicas Unir a juventude contra o fascismo
Unir a juventude contra o fascismo
0

Unir a juventude contra o fascismo

0

 

Coordenação Nacional da UJC-Brasil

A Coordenação Nacional da União da Juventude Comunista (Brasil) vem a público cumprimentar todos os jovens antifascistas, progressistas, humanistas e revolucionários que se empenharam neste segundo turno das eleições gerais a denunciar os riscos do bolsonarismo para o país e o futuro da juventude brasileira. Agradecemos a solidariedade internacional, em especial às juventudes comunistas irmãs de todo o mundo. Oferecemos nosso apoio físico e moral a todos os jovens abalados pela vitória eleitoral de Jair Bolsonaro.

Contudo, mais do que oferecer apoio, queremos apresentar em cada rincão deste enorme país, a coerência e firmeza revolucionária dos jovens comunistas. Não há tempo de termos medo, nem choramingos. Precisamos extrapolar os limites das ações individuais, meramente reativas ou isoladas. É hora de organizarmos a luta e resistência com inteligência e constância, colocando-a em nossas agendas do dia-a-dia, dando à ela a importância de necessidade histórica que é. Sabemos que o Bolsonarismo representou, até então, a unidade de diversas forças reacionárias: setores importantes das forças armadas e das polícias, igrejas neopetencostais, ruralistas, políticos corruptos de extrema-direita etc. Além disso, contou com o respaldo e anuência da burguesia brasileira e do imperialismo.

O governo Bolsonaro é um marco de um novo ciclo na dominação burguesa no Brasil. Inserido no contexto de acirramento das disputas interimperialistas e ofensiva dos EUA, o bolsonarismo conjuga uma pauta econômica ultraliberal com o reacionarismo por meio da intensificação da política de guerra às drogas, apoio a milícias, radicaliza a institucionalização da violência racial, às mulheres e à população LGBT. Trata-se de um novo tipo de fascismo, alinhando características tradicionais deste fenômeno político do século XX, com outras características particulares.

Convergente com as políticas de Bolsonaro, uma expressiva bancada foi eleita para o Congresso Nacional e as Assembleias Legislativas dos estados, o que torna a escalada do fascismo mais ampla do que a catastrófica eleição presidencial e intensifica o grau de repressão à classe trabalhadora e o desmonte das políticas e serviços públicos como parte de sua agenda. Além disso, uma série de governadores eleitos compõe o mesmo campo político fascista, alastrando a níveis estaduais os resultados de suas ações, com enfoque, sobretudo, nas políticas de educação e segurança públicas, responsabilidades dos governos estaduais, como no caso das polícias militar e civil e o ensino médio da educação pública, alvo de sistemáticos ataques de movimentos antidemocráticos vinculados a estes grupos como o Escola Sem Partido, de iniciativas privatizantes e ensino à distância.

Para reprimir, cercear direitos e aplicar pautas antipopulares, além da manipulação, o bolsonarismo utilizará as próprias leis e quadro institucional já existente. Um prelúdio disso, foram as invasões arbitrárias nas universidades realizadas por agentes federais e representantes da Justiça Eleitoral, combinadas com ações truculentas contra a imprensa de esquerda (a exemplo da apreensão do Jornal Brasil de Fato) e entidades que vinham realizando assembleias e atividades contra o fascismo. Também devemos estar atentos para a formação de grupos paramilitares de extrema direita pelo país.

O fim da previdência social, a retirada de direitos trabalhistas, a privatização do SUS, das escolas e universidades federais, privatização do pré-sal e de estatais também fazem parte do programa de Bolsonaro. Todas essas medidas afetam direta ou indiretamente a perspectiva de futuro, emprego e direitos para a nossa juventude. Nenhuma dessas medidas será implementada sem luta, resistência e mobilização popular.

Devemos, nesse cenário, reforçar a mais ampla unidade social e política contra o bolsonarismo. Defendamos o caráter público das escolas e universidades, defendamos as vidas de nossos jovens, em especial a juventude negra das periferias, defendamos os nossos direitos e a perspectiva de futuro. Por isso, é hora de muita resistência e organização. Massificar as entidades de juventude: dinamizar o movimento estudantil para além da sua lógica cupulista, aproximar das lutas antifascistas a juventude progressista e humanista cristã, articularmos as diversas experiências de extensão e pré-vestibulares comunitários nas periferias, reocuparmos os bairros e espaços públicos para a prática desportiva e cultural. Os comunistas, sem qualquer sectarismo, devem valorizar e buscar a unidade de todas as expressões antifascistas na juventude. Manter a nossa juventude viva, sonhando, lutando, organizada e ocupando os espaços públicos também será um ato de resistência. No interior dessa ampla frente, devemos reforçar nossa perspectiva anticapitalista e anti-imperialista.

Por fim, salientamos que nesta conjuntura, nos orgulhamos de ser a organização de juventude de esquerda que se afirma abertamente comunista e está organizada nacionalmente. Nos orgulhamos de nossa história, nossa luta e, em especial, nossas vitórias contra o fascismo. Com inteligência, sabendo a hora de recuar e avançar, sem covardia e bravatas, convidamos a juventude indignada com o fascismo a conhecer e estar nas fileiras da juventude comunista, ou então, fortalecer as entidades estudantis, culturais e de bairro. Estamos convictos que esta luta será dura, talvez mais longa do que gostaríamos, mas venceremos em defesa da humanidade e suas conquistas.

Ousar lutar, ousar vencer!