c Reforma da Previdência: cronologia da luta – UJC
Home Destaque Reforma da Previdência: cronologia da luta
Reforma da Previdência: cronologia da luta
0

Reforma da Previdência: cronologia da luta

0

Via UJC São Paulo

Em Dezembro de 2016 foi apresentado o Projeto de Emenda Constitucional 287/16, a “reforma da previdência”[1]. Este é mais um dos ataques do governo Temer aos trabalhadores.

Porém, é possível impedir a aprovação desta medida através da luta. A mudança de postura e recuos do governo devido à mobilização dos trabalhadores fica evidente mesmo nas manchetes da grande imprensa burguesa. Por mais que tentem disfarçar colocando um ‘especialista’ dizendo o quanto a reforma ‘é necessária’, fica óbvio que os trabalhadores são contrários a essa medida, estão lutando contra os ataques e essa luta está surtindo efeitos.

-15 de Março de 2017: o “planalto” via “com tranquilidade as manifestações contra a reforma da Previdência que tomaram várias cidades”. E ainda dizia se tratar de “setores minoritários da sociedade” se manifestando contrários à reforma da previdência.[2]

-Dia 21 de Março de 2017: Temer anuncia que a reforma excluirá servidores públicos municipais e estaduais. “na tentativa de facilitar a tramitação da reforma no Congresso.”[3] Esse recuo deixaria 86% dos funcionários públicos de fora da reforma da previdência[4]. Dentre as diversas justificativas por esse recuo, uma não foi dada: o funcionarismo público é um dos setores da classe trabalhadora mais mobilizado. Esse recuo, portanto, seria uma forma de enfraquecer a mobilização contra a reforma. Ou nas palavras do líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB): “Tirar servidores da reforma foi estratégia.” [5]

-Dia 27 de Março de 2017: centrais sindicais anunciam a organização de uma greve geral contra os ataque do governo com início no dia 28 de Abril.[6]

-Dia 31 de Março de 2017: Ocorrem manifestações organizadas por centrais sindicais e movimentos populares em diversas cidades do país. A pauta: contra os ataques do governo aos trabalhadores. Um grande dia de paralização ocorre. [7]

-Dia 6 de Abril de 2017: Há 22 dias do dia 28 de abril, o relator da reforma da previdência na câmara anuncia mudança em cinco pontos:
1)Regras para trabalhadores rurais;
2)Benefícios de prestação continuada;
3)Pensões;
4)Aposentadoria de professores e policiais;
5)Regras de transição para o novo regime previdenciário.[8]

Desta breve cronologia pode-se perceber que, sim, as lutas têm resultados. O governo recuou e foi graças à pressão dos trabalhadores organizados. Porém, ao mesmo tempo em que o governo recua, ele o faz de maneira estratégica a fim de desmobilizar a luta contra seus ataques. É nosso dever não ceder. Lutar até que a reforma deixe de existir. Não queremos ajustes nela. Queremos seu FIM.
É nosso dever construir a greve geral no dia 28 de Abril junto aos trabalhadores. E sim, é possível derrotar essa medida. Nem a mídia burguesa consegue esconder isso, por mais que ela tente.

Rumo à greve geral!
Por nenhum direito a menos!
Pela construção do Poder Popular!

Fontes:
[1]http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2119881

[2] http://exame.abril.com.br/brasil/planalto-ve-com-tranquilidade-atos-contra-reforma-da-previdencia/

[3] http://exame.abril.com.br/economia/reforma-da-previdencia-excluira-servidores-estaduais-e-municipais/

[4] http://exame.abril.com.br/economia/recuo-deixa-86-dos-servidores-de-fora-da-reforma-da-previdencia/

[5] http://exame.abril.com.br/brasil/tirar-servidores-da-reforma-foi-estrategia-diz-lider-do-governo/

[6] http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/03/1870261-centrais-sindicais-marcam-nova-paralisacao-para-28-de-abril.shtml
[7] http://exame.abril.com.br/brasil/centrais-sindicais-protestam-contra-reforma-da-previdencia/

[8] http://g1.globo.com/politica/noticia/relator-anuncia-que-fara-mudancas-em-cinco-pontos-da-reforma-da-previdencia.ghtml