c Núcleo de Cultura Memória e Tradução Comunista do Brasil – UJC
Home Sem categoria Núcleo de Cultura Memória e Tradução Comunista do Brasil
Núcleo de Cultura Memória e Tradução Comunista do Brasil
0

Núcleo de Cultura Memória e Tradução Comunista do Brasil

0

imagem

UJC Paraíba

Sabe quem são essas pessoas na imagem? NÃO???

Então dê uma lida abaixo e aceite este convite ao estudo sobre a produção politico-cultural de importantes militantes desse nosso país!

Está na hora de saber os potenciais da intervenção cultural!

Após o curso sobre “A Politica Cultural dos Comunistas no Brasil” que ocorreu no dia 04 de Agosto, contando com uma expressiva participação e ótimas discussões, a União da Juventude Comunista (UJC) vem junto aos companheiros que participaram deste curso convidar todos os interessados a construírem o “Núcleo de Cultura, Memória e Tradição Comunista no Brasil” e sua programação de estudos.

Pretendemos com isso não somente estudar a nossa história e aprofundar esses importantes temas, mas também, a partir das discussões, construir formas de intervenção prática na nossa realidade!

Para isso contaremos com a riquíssima contribuição do camarada Romero Venâncio, professor da Universidade Federal de Sergipe!

Se quiser saber mais, dê uma lida na programação abaixo e participe do nosso primeiro espaço que acontecerá no dia:

——————————————————————–

05 DE OUTUBRO DE 2012

ÀS 17:00

NO PIAC (No térreo da reitoria da UFPB, entrando por trás –
Se não encontrar basta perguntar na recepção!)

——————————————————————–

Quer receber por e-mail as informações, atividades, programação do Núcleo de cultura?

Cadastre-se no

link: https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dE1PZVo0WXpVU183bVYxZlNQQ3Bra2c6MQ
(se quiser participar dos espaços é muito importante o cadastro para facilitar a nossa comunicação)

Contatos:
ujcparaiba@gmail.com
http://www.facebook.com/ujc.pb
www.ujc.org.br
Pablo – (83) 9973.1027 (TIM) / 8809.0422 (OI)

Patrícia – (83) 9645.1957 (TIM) / 8847.3457 (OI)

Romero – (83) 99501473 (TIM)

UJC –PB

NÚCLEO DE CULTURA, MEMÓRIA E TRADIÇÃO COMUNISTA NO BRASIL:

Literatura, Teatro, Cinema e Música

Facilitador: Prof. Romero Venâncio (UFS)

Apoio: Grupo de Estudos Marxistas Elizabeth Teixeira (GEMET), Partido Comunista Brasileiro (PCB)

METODOLOGIA:
– Um encontro mensal (sextas)

– Inicio: 05 de outubro, 2012.

– Duração inicial de 1 ano

Primeiro Encontro: Um debate metodológico

Cultura, Memória e Marxismo: por uma concepção materialista de cultura

5 de Outubro 2012, 17:00h. Local: PIAC

Segundo encontro:

A política cultural dos comunistas Parte: I (Celso Frederico)

16 de Novembro 2012, 17:00h. Local: PIAC

Terceiro encontro:

A política cultural dos comunistas: Parte II (Celso Frederico)

7 de Dezembro, 2012, 17:00h. Local: PIAC

Quarto encontro:

Literatura e Memória comunista: Graciliano Ramos. Parte I (Carlos Nelson Coutinho)

Fevereiro, 2013 17:00h. Local:

Quinto Encontro:

Literatura e memória comunista Graciliano Ramos Parte II (Antonio Candido)

Março, 2013 17:00h. Local:

Sexto encontro:

Teatro e a memória da Classe trabalhadora: G. Guarnieri Parte I (Iná Camargo Costa)

Abril, 2013 17:00h. Local:

Sétimo encontro:

Teatro e a memória da classe trabalhadora: Vianinha Parte II (Fernando Peixoto)

Maio, 2013 17:00h. Local:

Oitavo encontro:

Cinema Novo e o lugar dos de baixo: Nelson P. dos Santos. Parte I

Junho, 2013 17:00h. Local;

Nono encontro:

Cinema Novo e o programa comunista: Leon Hirszman. Parte II

Julho, 2013 17:00h. Local:

Décimo encontro:

Cinema novo como explosão libertária: Glauber Rocha Parte III (Doc. De Silvio Tendler)

Agosto, 2013 Local:

Décimo primeiro encontro:

Música Popular e a utopia dos de baixo: Chico Buarque. Parte I

Setembro, 2013 Local:

Décimo segundo encontro:

Música e Lirismo e projeto de Nação: Chico Buarque. Parte II (Texto de Fernando Barros e Silva)

Outubro, 2013 17:00h. Local:

Décimo terceiro encontro:

Música Popular e o lugar do povo: Paulinho da Viola. Parte III

Novembro, 2013 17:00h. Local:

Último encontro:

Cultura e processo de formação da consciência. Mauro L. Iasi (UFRJ)

Dezembro, 2013 Hora: Local:

BIBLIOGRAFIA
– BERLINK, Manoel Tosta. Centro Popular de Cultura da UNE. São Paulo: Papirus, 1984.

– BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1991.

– BRITO, Antônio Carlos de. Tudo da minha terra (bate-papo sobre poesia marginal). In: Cultura brasileira: temas e situações (org. Alfredo Bosi). São Paulo: Ática, 1987.

– BRITTOS, Valério Cruz & BOLAÑO, César Ricardo (orgs.). Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia. São Paulo: Paulus editora, 2005.

– CHAUÍ, Marilena. O nacional e o popular na cultura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1983. Série: Seminários.

– _______. Simulacro e poder: uma análise da mídia. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2006.

– COELHO, Teixeira. O que é indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 1980.

– CALDAS, Waldir. Iniciação à música popular brasileira. São Paulo: Ática, 1985.

– CICERO, Antonio. O tropicalismo e a MPB. In: Finalidades sem fim: ensaios sobre poesia e arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

– CHIAVENATO, Júlio José. O golpe de 64 e a ditadura militar. São Paulo: Editora Moderna, 1994.

– COUTINHO, Carlos Nelson. Intervenções: o marxismo na batalha das idéias. São Paulo: Cortez, 2006.

– DALCASTAGNÉ, Regina. O espaço da dor: o regime de 64 no romance brasileiro. Brasília: Editora da UnB, 1996.

– FAVARETO, Celso. Tropicália: alegoria, alegria. São Paulo: Ateliê editorial, 1996.

– GALVÃO, Walnice Nogueira. A indústria cultural no Brasil. São Paulo: Editora do SENAC, 2005.

– GARCIA, Miliandre. Do teatro militante à música engajada: a experiência do CPC da UNE (1958-1964). São Paulo: Perseu Abramo editora, 2007.

– GOUVEIA, Arturo. Os homens cordiais: a representação da violência oficial na literatura dramática brasileira pós-64. João Pessoa: Editora da UFPB, 1996.

– _______________. Literatura e repressão pós-64: o romance de Antonio Calado. João Pessoa: Idéia, 2006. Coleção Carpe Diem.

– GUARNIERI, Gianfrancesco. Eles não usam black-tie. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

– HOLLANDA, Heloisa Buarque de. & GONÇALVES Marcos. Cultura e participação nos anos 60. São Paulo: Brasiliense, 1984.

– LOWY, Michael. Cristianismo da libertação e marxismo. De1960 a nossos dias. In: História do marxismo no Brasil. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2007. Volume VI.

– MAGALDI, Sábato. Um palco brasileiro: o Arena de São Paulo. São Paulo:Brasiliense, 1984.

– MACIEL, Diógenes André Vieira. Ensaios do Nacional-Popular no teatro brasileiro moderno. João Pessoa: Editora da UFPB, 2004.

– MENESES, Adélia Bezerra de. Desenho mágico: poesia e política em Chico Buarque. São Paulo: Ateliê editoril, 2002.

– MALTZ, Bina; TEIXEIRA, Jerônimo; FERREIRA, Sérgio. Antropofagia e Tropicalismo. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1993.

– NOVAES, Adauto (org.). Rede imaginária: televisão e democracia. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

– NAPOLITANO, Marcos. Cultura brasileira: utopia e massificação (1950-1980). São Paulo: Editora Contexto, 2001.

– RIDENTI, Marcelo. Cultura e política: os anos de 1960-1970. In: O Brasil republicano: o tempo da ditadura (orgs. Jorge Ferreira e Lucila de Almeida Neves). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

– SCHWARZ, Roberto. Cultura e política. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

– SILVA, Fernando de Barros e. Chico Buarque. São Paulo: Publifolha, 2004.

– VENANCIO, Romero. Duas Medeias (Eurípides e Chico Buarque): algumas notas. In: Da letra à voz. Recife: Fundação de cultura Cidade do Recife, 2008.

– ________. O Quebra-Quilos ou um Brecht numa certa Paraíba. In: Teatro Alfenim – Caderno de apontamentos. João Pessoa, 2007.

-VELOSO, Caetano. Verdade tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

– VÁRIOS AUTORES. Anos 70: trajetórias. São Paulo: Iluminuras, 2005.

– XAVIER, I. O cinema brasileiro moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

– _________. Sertão mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Cosacnaify, 2007.

FILMES
– O desafio (Paulo César Saraceni)

– Terra em transe (Glauber Rocha)

– O Circo (Arnaldo Jabor)

– Deus e o diabo na terra do sol (G. Rocha)

– Eles não usam black-tie (Leon Hirszman)

– Deixa que eu falo (Lauro Escorel)

– Cronicamente inviável (Sérgio Bianchi)

– Brasil: muito além do cidadão kane (Simon Hartog)

– Tempo de resistência (André Ristum)

– Que bom te ver viva (Lúcia Murat)

– Chico Buarque: Roda viva (Roberto de Oliveira). N. 12

– Cartola: música para os olhos. (Lírio Ferreira e Hilton Lacerda)

– Os doces bárbaros. (Jom Tob Azulay)

– Anos Rebeldes (Gilberto Braga)

– Glauber Labirinto Brasil (Silvio Tendler)