c Fraude na UFG PT e PCdoB elegem delegados fantasmas para o congresso da UNE – UJC
Home Sem categoria Fraude na UFG PT e PCdoB elegem delegados fantasmas para o congresso da UNE
Fraude na UFG PT e PCdoB elegem delegados fantasmas para o congresso da UNE
0

Fraude na UFG PT e PCdoB elegem delegados fantasmas para o congresso da UNE

0

O Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Goiás e Centros Acadêmicos vêm a público denunciar a fraude ocorrida na eleição de delegados ao 52º congresso da União Nacional dos Estudantes que ocorreu do dia 13 a 17 de julho desse ano em Goiânia.

Na UFG – Universidade Federal de Goiás, uma comissão eleitoral de 10 estudantes se cadastrou no site da UNE para realizar as eleições, que deveria ocorrer com voto em urna, para eleger os delegados (representantes) da universidade com direito a votar no congresso, a UFG teria direito a um delegado para cada 1000 estudantes. Porém essa mesma comissão eleitoral não realizou as eleições na UFG e mesmo assim mandou uma lista com nomes de estudantes ligados à Corrente Articulação de Esquerda do PT e ao PC do B-UJS que retiraram crachás e votaram ilegalmente em nome da UFG e de cerca de 18 mil estudantes desta instituição. O que vimos foi um ato corrupto e antidemocrático organizado por militantes do PT (Jacqueline Arantes- Ciências Sociais e Flávio Batista – Geografia) e Pc do B / UJS (Lucas Ribeiro – Ciências Sociais) que retiraram crachás de delegados como representantes da UFG sem que tenha ocorrido eleição na universidade.

Lamentavelmente este fato é mais um dos que evidenciam a lógica falida e burocratizada desta entidade, submissa ao governo e à vontade dos donos do poder. A custo de fraudes, e gritos de torcida organizada, o debate político do congresso se esvaziou por orientação desses partidos que dirigem a entidade, fazendo com que temas polêmicos passassem como consensuais, de forma acrítica e submissa. Desta maneira, não foi evidenciado neste congresso: o fato do Plano Nacional de Educação financiar com dinheiro público a educação privada, as polêmicas em torno dos modelos de partilha do Pré-sal e a votação do código florestal que negligencia o meio ambiente e o interesse dos movimentos sociais do campo para satisfazer a vontade do agronegócio.

Todos nós estudantes da UFG perdemos ao termos uma falsa representação em um congresso nacional. Crachás foram levantados para votar em propostas das quais não ficamos sabendo, que provavelmente a maioria não concordaria, interferindo na nossa realidade. Como fica a necessidade de ampliar as vagas e recursos nas universidades públicas? Para o grupo majoritário da UNE tanto faz se a expansão se dá no ensino público ou particular. E as pesquisas e a extensão que as faculdades particulares de ponta de esquina (não) fazem? E a assistência estudantil? Será que eles defenderam de fato para todos estudantes? E a questão da greve dos servidores? Este grupo que é do governo está do lado de quem?

É necessário se indignar. Entretanto mais do que isso precisamos negar este movimento estudantil de gabinetes para continuar construindo outro, este que fazemos no dia a dia das lutas pelo passe-livre, pela melhoria do transporte, contra as privatizações, em debates e sempre pela base. Que o caminho apresentado pela UNE, este de fazer falso discurso dizendo que estão do lado dos movimentos sociais, dos estudantes e trabalhadores, é falido já sabemos. Precisamos é de horizontes, dos estudantes participando nos seus cursos e construindo as discussões dentro e fora de sala de aula, se mobilizando pela educação nas ruas, de forma crítica e cabeça levantada.

Afirmamos ainda, que por discordar desta postura não podemos cair em um discurso anti-organizações e partidos. O que precisamos é estar atentos à prática das diferentes organizações, pois existem militantes que estão na luta por mudanças sociais e estão em partidos atualmente, estão organizando rádios livres, movimentos culturais e diversos movimentos sociais no campo e na cidade. Neste tempo de hoje, precisamos construir caminhos pela base nos movimentos, no DCE e nos Cas, ir para a luta e enfrentar esse banditismo no movimento estudantil.

Por isso repudiamos essa prática do PT e PCdoB e demais capachos dos donos do poder e convidamos a todos os estudantes, demais Centros Acadêmicos, Executivas, Projetos de Extensão, a publicizarem essa denúncia. Contra esse tipo de atitude, que afasta as pessoas dos movimentos sociais e mancha nossa história de luta, a saída é continuarmos organizados no movimento estudantil e nos demais espaços de luta. Nem o pesadelo e nem o sonho acabou! Vamos à luta!!

Assinam a carta:

Diretório Central dos Estudantes da UFG

Centro Acadêmico de Letras

Centro Acadêmico de Geografia

Centro Acadêmico de Física

Centro Acadêmico de Economia

Centro Acadêmico de Educação Física

Abaixo o nome dos estudantes que comporam a comissão eleitoral, responsável pela (não) realização das eleições dos delegados. Esperamos que as pessoas citadas abaixo se pronunciem politicamente acerca do ocorrido.

Carlito Dias Rocha
Flávio Batista do Nascimento
Jacqueline Arantes Rodrigues Soares
Marcello Soldan Gaberlin
Rafael Aparecido Mateus de Barros
Rárea Géssica Porto Araújo
Márcia Sardinha da Costa
Dayse Novais da Silva
Manuel Silva Carneiro Júnior
Leandro Dias Barbosa

Fonte: http://www.chapaunidadepralutar.blogspot.com/