c Brasil: capitalismo desenvolvido e sócio minoritário no jogo imperialista – UJC
Home Sem categoria Brasil: capitalismo desenvolvido e sócio minoritário no jogo imperialista
Brasil: capitalismo desenvolvido e sócio minoritário no jogo imperialista
0

Brasil: capitalismo desenvolvido e sócio minoritário no jogo imperialista

0

Ainda predomina no imaginário da esquerda a ilusão de um governo brasileiro progressista, o que se explica pelo longínquo passado combativo do Partido dos Trabalhadores e de seu principal representante, Lula, que há alguns anos já se converteram em partido da ordem.

Se internacionalmente ainda se mantém essa imagem, internamente já se notam sinais de esgotamento do ciclo PT.

As recentes manifestações de massas que presenciamos em mais de 600 cidades no Brasil entre os meses de junho e julho, e que reuniram em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo mais de 1 milhão de pessoas nas ruas em um só dia, tiveram como estopim um reajuste no preço do transporte público, mas que, rapidamente, descortinaram uma série de mazelas sociais às quais é submetida, diariamente, a grande maioria dos brasileiros.

As massas nas ruas cobravam, justamente, os 10 anos de ataques aos trabalhadores que se expressam nas constantes privatizações dos serviços de saúde, educação e transporte; nos leilões das reservas de petróleo; na degradação do serviço de infraestrutura pública; na precarização do trabalho e na falta de perspectivas para a juventude.

Para a União da Juventude Comunista – Brasil, esses problemas não representam um suposto baixo desenvolvimento das forças produtivas no Brasil, mas o contrário, são a característica do capitalismo brasileiro, combinando um alto nível de desenvolvimento com progressivas taxas de exploração.

Segundo dados do Banco Mundial, o Brasil ocupa, atualmente, o 6ª lugar entre as maiores economias mundiais, estando em 85º lugar no IDH, ocupando, na América Latina, o último lugar na média de anos em escolarização e o primeiro na evasão no nível básico (PNUD/ONU), enquanto o orçamento nacional para o ano de 2014 prevê 42,42% para o pagamento de rentistas e apenas 3,91% para a saúde e 3,44% para a educação, deixando cerca de 25 milhões de brasileiros vivendo espalhados em favelas, sem direitos às mínimas condições de dignidade.

Ao chegar no poder, o PT via diante de si duas opções: convocar uma constituinte soberana clamando às massas para as ruas ou aderir à institucionalidade burguesa e optar por um governo de coalizão com as forças conservadoras.

Optou pelo segundo e o resultado tem sido trágico para os trabalhadores que, além de terem seus direitos atacados, viram históricos instrumentos de lutas, como a União Nacional dos Estudantes, serem cooptadas pelas políticas governistas.

Isso mostra claramente o verdadeiro caráter de classe do governo e do Estado brasileiros, e o nível de desenvolvimento do capitalismo no país, que chega ao seu grau de monopolização e se insere no jogo imperialista, se apresentando como uma potência emergente que atua de maneira subordinada e busca seu lugar no Conselho de Segurança da ONU.

A posição que o Brasil exerce na ocupação militar do Haiti é didática nesse sentido, uma vez que, alegando suposta ajuda humanitária, atua de maneira extremamente funcional para o grande capital. Além disso, facilita constantes financiamentos públicos liberados pelas instituições do governo para as grandes empreiteiras multinacionais de origem brasileira, como Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa, por exemplo, que se espalham, sobretudo, pela América Latina.

Partindo desses fatos, podemos afirmar que a contradição fundamental na sociedade brasileira é a contradição capital x trabalho, o que define justamente o caráter socialista da revolução! Isso significa que no Brasil já não há mais espaços para alianças com a burguesia e nem uma suposta “burguesia nacional”, mas sim uma burguesia extremamente associada ao capital internacional.

Esse atrelamento ao capital mundial traz à tona o recrudescimento de ações violentas contra os trabalhadores, principalmente nos próximos anos, com a realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas, momentos estes em que, de acordo com os grandes proprietários do Brasil, não será tolerado nenhum tipo de manifestação, inclusive tendo conseguido aprovar leis que preveem a criminalização de trabalhadores e militantes, classificando como “terrorista” qualquer manifestação popular que ameace os megaeventos esportivos.

Por motivos como estes é que, para nós, não há qualquer ilusão conciliatória e institucionalizada que responda aos gritos populares nas ruas.

A saída não está em um pacto com as elites, mas na construção do poder popular: o poder político exercido, cotidianamente, pela juventude e pelos trabalhadores e, nesse sentido, comprometemo-nos com a juventude trabalhadora de todo o mundo, levando a necessidade histórica da construção do socialismo na luta diária dos trabalhadores, organizando os jovens em seus locais de estudo, trabalho e moradia.