c A juventude colombiana na Marcha Patriótica – UJC
Home Sem categoria A juventude colombiana na Marcha Patriótica
A juventude colombiana na Marcha Patriótica
0

A juventude colombiana na Marcha Patriótica

0

imagem

Saudação apresentada pelo camarada Jonathan Hernandez, integrante do Secretariado do Comitê Central do Partido Comunista do México, ao Capítulo Nacional de Juventudes da Marcha Patriótica que se reuniu em Cartagena, Colômbia e onde participaram mais de 10.000 jovens, como a KNE (juventude do Partido Comunista Grego), a UJC (Partido Comunista Brasileiro), o PC Paraguaio, entre outras organizações irmãs.

À Marcha Patriótica

Aos seus jovens insubmissos e rebeldes

Camaradas:

Em nome do Partido Comunista do México e da Liga da Juventude Comunista lhes estendo um fraternal, combativo, revolucionário e bolivariano abraço ao Capítulo Nacional de Juventudes da Marcha Patriótica, assim como aos delegados internacionalistas que acompanham de maneira solidária e camarada este referente histórico, organizativo e emancipatório pela transformação da nossa realidade, pela pátria grande, a grande Colômbia.

Nestes momentos de intensificação do conflito entre capital e trabalho, de agudização das contradições sócio/classistas, é dever da juventude trabalhadora rebelar-se, insubordinar-se e colocar-se do lado dos explorados para derrocar o poder dos monopólios e construir a nova sociedade socialista/comunista. Na nossa opinião, os jovens rebeldes do mundo inteiro têm como dever primeiro a busca pela alternativa anticapitalista.

Camaradas, nossa América se debate entre romper definitivamente com os laços do imperialismo ou de converter-se em reserva de energia para o capitalismo. Nosso continente se assemelha a uma árvore repleta de numerosos frutos – sua juventude- que se espalha até o fim do horizonte, que o capital deseja lançar totalmente no fogo da exploração para salvar sua acumulação dos limites que a história lhe impõe.

Pese que os processos abertos, pese a herança milenar e heroica de resistência, o capital não renuncia de ditar um destino de pesadelos para os povos da América Latina e seus jovens.

São centenas de milhares de jovens os quais o desemprego e a miséria lhes solapa gravemente, são dezenas de milhares os que caem cegos pela disputa no mercado da droga, são a metade de todos os trabalhadores menores de 29 anos os que não têm mais que um contrato temporário e vivem comprimidos pela espantosa fragilidade de seu futuro. Somos nós, a nossa geração, a quem os exploradores hipócritas dirigem um chamado. Seu chamado consiste em que aceitemos arruinar um par de décadas de nossas vidas em nome dos grandes banqueiros e industriais, que abracemos o capitalismo ainda que este não tenha absolutamente já nada a nos oferecer.

Mas devemos entender muito bem o que significa romper os laços do imperialismo. Não haverá ruptura dos tratados imperialistas sem romper também a armadilha da propriedade capitalista. Não podemos melhorar nem um milímetro as condições de vida dos nossos povos sem afetar diretamente o poder e a economia dos monopólios. Esta condição ineludível levará a uma luta sem quartel que se anuncia já nas multitudinárias marchas, na luta que estala intermitente nas ruas da América, na insurgência redobrada, na resistência aos golpes de estado, etc.

A burguesia não se veste apenas a bandeira das barras e estrelas; nas filas dessa classe há muito se extinguiu qualquer capacidade de oferecer algo a humanidade, independentemente da sua cor nacional. Assim, a Liga da Juventude Comunista aplaude o fato de que a Venezuela tenha decidido expropriar o especulador da fome que é o monopolista mexicano Bimbo, assim como o monopólio da CEMEX. Continuaremos aplaudindo todos os passos que suponham ser um avanço do processo bolivariano e nos sentimos confiantes sabendo que ao mesmo tempo debilitam nosso inimigo direto e nos facilitam a tarefa de sua derrocada. Os jovens obreiros e oprimidos desta terra devem estender os laços de amizade entre si e lutar pelo derrocamento das agressões imperialistas e de seus próprios oligarcas. Só há estes dois campos em nosso continente, o campo dos oprimidos e o dos opressores, só existe o eixo do trabalho e o eixo do capital.

Esta juventude não é apenas herdeira de dificuldades, de inimigos e derrotas. Também é a juventude que se nutriu da sávia insubmissa desta terra, que cresceu sob a sombra indelével de gerações de jovens que abriram os caminhos libertários. A juventude de Moncada e do Granma, a juventude que descarrilhou as ditaduras militares, a juventude guerreira da resistência indígena, a juventude que lutou sob as ordens de Bolívar, de Hidalgo, de Zapata e Villa.

Nossas juventudes avançam já com ira, endurecida por uma vida de ameaças e agressões. Cada uma destas partículas de ferro pode e deve ser atraída para o polo que luta pela América Latina socialista, e constituir o duríssimo punho dirigido contra os exploradores. Aos obreiros jovens, aos estudantes jovens filhos da classe trabalhadora, aos jovens que o capitalismo lhes cancelou o futuro, devemos transmitir-lhes o socialismo científico.

Aqui, onde o processo segue aberto, onde os oprimidos podem avançar com a perspectiva de assentar seu poder popular real como na Venezuela, é a tarefa da juventude, nutrir por miríadas a mobilização que paralisa a agressão imperialista e equipar-se para um triunfo definitivo. Aqui, onde o Estado serve ao poder e a economia dos monopólios, que é a realidade geral dos nossos países, consideramos nossa tarefa recorrer a todos os meios possíveis para desafiar e por de joelhos os oligarcas.

Derrotar o imperialismo ou dobrar la cerviz, desafiar o poder dos monopólios ou esvaziar as veias que alimentam o insaciável apetite dos exploradores.

Ruptura, insubmissão, rebeldia, insurgência, luta, mobilização, revolução, derrocamento, esse é o vocabulário da nossa geração, são os gritos combativos, transformadores da realidade, os que fraudam os sonhos, estas vozes com suas lutas são a rota que abre os caminhos do porvir e que nos empurra e incita a forja da esperança nos nossos povos –Colômbia e México- e de toda a América Latina.

Proletários de todos os países, uni-vos!

Viva a Marcha Patriótica!

Viva a juventude insubmissa!

Viva a juventude revolucionária do mundo!

Fonte:http://www.comunistas-mexicanos.org/index.php?option=com_content&view=article&id=952%3Aen-marcha-patriotica-la-juventud-colombiana&catid=1

Tradução: PCB – PARTIDO COMUNISTA BRASILEIRO